Ex-Protestante: Eu Odiava Maria, e foi justamente ela, e seu Filho, que me convenceu que a Igreja verdadeira é a Católica


Não faz mais que alguns meses desde que me “tornei católica”. Apesar de não gostar muito de usar este termo. Eu nasci em uma família protestante, cresci sob os ensinamentos do protestantismo e muitos de meus valores, não só espirituais como também humanos, dali se formaram. E não, eu não estava me sentindo insatisfeita no protestantismo ao tomar a decisão de “tornar-me católica”.

 

Não faz mais que alguns meses desde que me “tornei católica”. Apesar de não gostar muito de usar este termo. Eu nasci em uma família protestante, cresci sob os ensinamentos do protestantismo e muitos de meus valores, não só espirituais como também humanos, dali se formaram. E não, eu não estava me sentindo insatisfeita no protestantismo ao tomar a decisão de “tornar-me católica”. A primeira questão que ecoa na mente das pessoas ao ouvirem sobre minha mudança – pelo menos é a primeira que, em especial aqueles que não têm a fé católica, sempre me perguntam – e “por que então dar as costas à fé que sempre fora sua base e repentinamente abraçar uma crença que sempre esteve fora de sua realidade?”. A resposta para tal pergunta? Sinceramente eu ainda não sei ao certo, mas é algo que vai além de mim mesma. É próprio do homem querer justificativas palpáveis, isto é, temos dificuldades em explicar a nossa fé por nossa própria fé, mas tendemos sempre a nos prender a fatos. E o início de minha conversão foi marcado por fatos extraordinários!

Sou natural da cidade de Contagem, mas há um tempo mudei-me para a cidade de Ipatinga, onde moro com uma amiga, por sinal, católica. E eu era cercada de amigos católicos, que a propósito não me chamavam para ir à missa ou a grupos de oração, mas que me impressionavam, tendo em vista minha mentalidade protestante, com a vida espiritual exemplar que levavam. Isso não mudava meu pensamento: eu ainda pregava e vivia o protestantismo. Durante uma época de minha vida, eu estava me sentindo sozinha; os problemas vinham aos montes, me via sem saída ou motivos sequer para sorrir e isso estava refletindo até mesmo na minha saúde física. Certa noite, a garota que mora comigo estava indo ao grupo de oração jovem e eu pedi para ir com ela. Vendo o mover do Espírito Santo naqueles jovens, fiquei... SURPRESA! A Renovação Carismática era algo que fugia totalmente da imagem até mesmo preconceituosa que eu tinha da Igreja Católica.

Ao chegar em casa, fui me deitar. Durante a madrugada, acordei passando muito mal. E, naquele instante todas as preocupações e problemas pelos quais eu passava naquele momento vieram à mente e eu chorava muito! Decidi ir à cozinha procurar por um remédio, mas, antes que eu o pegasse, fui distraída por um terço que estava sobre a mesa. Sinceramente, não sei ao certo o porquê de ter tomado tal atitude, mas ao invés de seguir para a cozinha, eu simplesmente peguei o tal terço e voltei para a cama. Naquele momento eu me sentia o pior dos seres humanos, estava arrasada e sem forças até mesmo para dirigir-me a Deus. Foi quando me lembrei de algo que me disseram quando eu era garota: “A Mãe de Jesus ora pela gente junto de Deus, e nos ama muito!”. Claro que, naquela época aquelas palavras não tinham pra mim sentido algum, mas naquele momento me impeliam a pedir a ajuda daquela Mulher.

Assim, eu segurava o terço em minhas mãos com toda a força que eu tinha e, em pensamento, dizia: “Maria, eu não sei como orar pra Senhora. Pra dizer a verdade eu nem sei se eu deveria orar pra Senhora! Mas uma vez me disseram que me amava e que sua intercessão tinha poder. Se isso for mesmo verdade, me ajuda, pois eu não tenho mais ninguém a quem recorrer.” Nesse instante, uma luz tomou o lugar onde eu estava deitada. Não uma luz ofuscante, mas uma luz serena, que me acalmava. Envolta por essa luz, voltei a adormecer. Adormeci no colo de Nossa Senhora, um colo de Mãe, que eu não tinha desde que a minha mãe terrena se fora para junto ao Pai Celeste.

Ao acordar, eu não sentia mais dores, meu espírito não mais estava aflito como antes e lembro-me de ter pensado que tudo fora um sonho. Entretanto, percebi que ainda segurava em minha mão aquele terço, o que comprovava que eu realmente tinha vivido algo sobrenatural naquela madrugada. Durante todo o dia meditei sobre o que havia acontecido. E eu NÃO QUERIA MESMO acreditar no que ocorreu.

Por ser um domingo, ao chegar a noite, fui ao culto de minha antiga igreja. Qual não foi a minha surpresa ao perceber que eu não mais me encaixava ali, que ali não era mais meu lugar. Ao sair da igreja, liguei para um de meus muitos amigos católicos (que, por sinal, escolhi para ser meu padrinho) e contei-lhe o que me havia acontecido. Ele ficara maravilhado e naquele instante eu percebi a dimensão do milagre que estava acontecendo em minha vida.

Durante certo período, silenciei-me e não compartilhei o que estava acontecendo com mais ninguém – católico ou evangélico. Creio que, desde ali a Santíssima Mãe já me ensinava a ser um pouco como Ela. Costumo dizer que eu tentei não ser católica. Procurava de toda forma alguma justificativa, algo que tirasse essa ideia maluca da cabeça: li os livros que estavam na Bíblia Católica e que a protestante não continha, estudei através da liturgia, do catecismo, de documentos da Igreja, procurei direcionamento com um pastor e depois com um padre... Tudo a procura de uma “falha” ou algo que pudesse me fazer mudar de ideia. E concluí que, quanto mais eu conhecia da Santa Igreja, mais eu me encantava. Depois de muito lutar contra isso, um dia eu disse, com profundo amor e imensa alegria: EU SOU MESMO CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA!

Meu período pós-conversão foi também – como está sendo até hoje – bem conturbado. Enfrentar críticas, preconceitos e pré-julgamentos daqueles que você mais ama, não é lá uma tarefa muito fácil. Mas pela Graça Divina e pela Intercessão Misericordiosa de Nossa Senhora, tenho vencido! As pessoas, ou grande maioria delas, acreditam hoje na minha real conversão, pararam de dizer que “a Maynara desviou, saiu da igreja ou deve estar levando uma vida errada”. Quanto àquelas que ainda têm esse pensamento, eu rezo por elas. E, através de meu testemunho, percebo que Deus tem renovado vidas, avivado a fé de muitas pessoas! Espero que a vida de você que lê esse texto seja também tocada. Porque a ciência disso vale a pena qualquer adversidade pela qual eu passe.

PAZ E BEM!

Maynara Andrade

fonte: http://verdadenossa.blogspot.com.br/2013/04/lindo-testemunho-conversao-por-maria.html?view=timeslide

 

ASSUNTOS RELACIONADOS