Por que Deus se fez homem e quis habitar entre nós?


Há várias razões porque Deus se fez homem, e quis habitar entre nós; mas todas elas são devido a Seu amor por nós. O Credo niceno-constantinopolitano, diz que: “Por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos Céus e se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem”. Este é o motivo principal: “para a nossa salvação”. O pecado da humanidade feriu e fere a Majestade infinita de Deus; e a Justiça divina devia ser reparada por um ato de reparação de valor infinito, porque Deus é misericordioso, mas também é justo. Ele age pelo direito e pela justiça, diz o Salmista: “Deus governa os povos com justiça” (Sl 95, 10). “Seu trono tem por fundamento a justiça e o direito” (Sl 96, 2). Deus tinha de vencer o demônio no mesmo campo em que o demônio venceu Adão e Eva, como seres humanos; por isso Jesus se fez homem para vencê-lo.

Há várias razões porque Deus se fez homem, e quis habitar entre nós; mas todas elas são devido a Seu amor por nós.

O Credo niceno-constantinopolitano, diz que: “Por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos Céus e se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem”. Este é o motivo principal: “para a nossa salvação”.

O pecado da humanidade feriu e fere a Majestade infinita de Deus; e a Justiça divina devia ser reparada por um ato de reparação de valor infinito, porque Deus é misericordioso, mas também é justo. Ele age pelo direito e pela justiça, diz o Salmista: “Deus governa os povos com justiça” (Sl 95, 10). “Seu trono tem por fundamento a justiça e o direito” (Sl 96, 2). Deus tinha de vencer o demônio no mesmo campo em que o demônio venceu Adão e Eva, como seres humanos; por isso Jesus se fez homem para vencê-lo.

Como nenhum homem poderia oferecer à Justiça divina esta reparação, ainda que fosse o mais santo, então o próprio Filho de Deus assumiu esta missão, por amor a nós. A Carta aos Hebreus explica este mistério do amor de Deus: “Por isso, ao entrar no mundo, Cristo afirmou: Não quiseste sacrifício e oferenda. Tu, porém, formaste-me um corpo. Holocaustos e sacrifícios pelo pecado não foram de Teu agrado. Por isso eu digo: Eis-me aqui… para fazer a tua vontade (Hb 10,5-7; Sl 40,7-9 LXX)

Pelo pecado original toda a humanidade se afastou de Deus, experimentou a danação, a condenação eterna. Ficamos todos escravos do pecado, da morte e do demônio. São Paulo ensina que “quando éramos pecadores, Cristo morreu por nós” (Rom 5,8). Deus não nos abandonou ao poder da morte. Enviou o Seu Filho único para nos salvar.

São João evangelista diz que por Cristo fomos reconciliados com Deus: “Foi Ele quem nos amou e enviou-nos seu Filho como vítima de expiação por nossos pecados” (1Jo 4,10). “O Pai enviou seu Filho como o Salvador do mundo” (1Jo 4,14). “Este apareceu para tirar os pecados” (1Jo 3,5).

São Gregório de Nissa, Santo Padre da Igreja do século IV, expressou bem esta realidade ao dizer que:

“Doente, nossa natureza precisava ser curada; decaída, ser reerguida; morta, ser ressuscitada. Havíamos perdido a posse do bem, era preciso no-la restituir. Enclausurados nas trevas, era preciso trazer-nos à luz; cativos, esperávamos um salvador; prisioneiros, um socorro; escravos, um libertador. Essas razões eram sem importância? Não eram tais que comoveriam a Deus a ponto de fazê-lo descer até nossa natureza humana para visita-la, uma vez que a humanidade se encontrava em um estado tão miserável e tão infeliz?”

Leia também: Sobre a Encarnação do Verbo

O que significa dizer que Jesus Cristo é ao mesmo tempo verdadeiro Deus e verdadeiro homem?

O Verbo assumiu nossa natureza no seio de Maria

Por que o Verbo se fez Homem?

Também São Leão Magno, Papa e doutor da Igreja (440-460) explica bem ao dizer:

“A humildade foi assumida pela majestade, a fraqueza, pela força, a mortalidade, pela eternidade. Para saldar a dívida de nossa condição humana, a natureza impassível uniu-se à natureza passível. Deste modo, como convinha à nossa recuperação, o único mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo, podia submeter-se à morte através de sua natureza humana e permanecer imune em sua natureza divina”.

A Igreja nos ensina que o Verbo se fez carne também para que, assim, conhecêssemos o amor de Deus: “Nisto manifestou-se o amor de Deus por nós: Deus enviou seu Filho Único ao mundo para que vivamos por Ele” (1 Jo 4,9).

Também o Verbo se fez carne para ser nosso “modelo de santidade”. Ele disse: “Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29). “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai a não ser por mim” (Jo 14,6). E o Pai, no monte da Transfiguração, ordena: “Ouvi-o” (Mc 9,7). Pois Ele é o modelo das Bem-aventuranças e a norma da Nova Lei: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15,12). Jesus mostrou-nos o comportamento perfeito e pede que O sigamos e imitemos em Sua perfeição.

São Pedro ainda nos indica que o Verbo se fez carne para tornar-nos “participantes da natureza divina” (2Pd 1,4). Santo Irineu de Lião (†200), disse:

“Pois esta é a razão pela qual o Verbo se fez homem, e o Filho de Deus, Filho do homem: é para que o homem, entrando em comunhão com o Verbo e recebendo, assim, a filiação divina, se torne filho de Deus”. São Tomás de Aquino afirmou que “O Filho Unigênito de Deus, querendo-nos participantes de sua divindade, assumiu nossa natureza para que aquele que se fez homem dos homens fizesse deuses.” (Cat. n. 460).

Ninguém como São Paulo expressou bem a Encarnação do Verbo, indicando a sua consequência para cada cristão:

“Tende em vós o mesmo sentimento de Cristo Jesus: Ele tinha a condição divina, e não considerou o ser igual a Deus como algo a que se apegar ciosamente. Mas esvaziou-se a si mesmo, assumiu a condição de servo, tomando a semelhança humana. E, achado em figura de homem, humilhou-se e foi obediente até a morte, e morte de cruz!” (Fl 2,5-8).

Ouça também: Por que o Verbo se fez carne?

A fé na Encarnação verdadeira do Filho de Deus é o sinal determinante de nossa fé, disse São João, diante da heresia gnóstica que negava a encarnação do Filho de Deus:

“Nisto reconheceis o Espírito de Deus. Todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio na carne é de Deus” (1Jo 4,2). Esta é a alegre convicção da Igreja desde o seu começo, quando canta “o grande mistério da piedade”: “Ele foi manifestado na carne” (1 Tm 3,16).

Há uma de nossas músicas que diz: “Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão…”. É exatamente isso que Jesus fez por nós, por cada um de nós individualmente. Tudo o que fizermos por Ele será pouco em comparação do que Ele fez e faz por nós. Abramos, então, o coração purificado para recebê-lo como nosso único Senhor e Salvador. Que Ele faça morada em nossa alma; que nossos sentimos, desejos e pensamentos, sejam os Seus, e que Ele reine em nossas vidas. São João da Cruz nos lembra que “Amor só se paga com amor!”

Prof. Felipe Aquino

VEJA TAMBÉM:
TELEMENSAGENS DE ANIVERSÁRIO COM FUNDO MUSICAL CATÓLICO

ASSUNTOS RELACIONADOS