Qual o significado dos Talentos que Jesus falou na Bíblia? | Católicos na Bíblia

Qual o significado dos Talentos que Jesus falou na Bíblia?


Hoje iremos meditar o Evangelho do talentos. Infelizmente, no passado, o significado desta parábola foi habitualmente confundido, ou pelo menos muito reduzido. Quando escutamos falar dos talentos, pensamos imediatamente nos dons naturais de inteligência, beleza, força, capacidades artísticas. A parábola dos talentos, contida nos ensinamentos de Jesus, é sempre, para nós, um convite para refletirmos bem sobre a nossa atitude diante dos dons, dos talentos, das responsabilidades e da missão que cada um de nós recebemos de Deus no batismo que é de ide por todo o mundo e pregai o evangelho. Não existe ninguém neste mundo que não tenha dom, que não tenha talento!

O uso não é totalmente equivocado, mas sim secundário. Jesus não pretendia falar da obrigação de desenvolver os dons naturais de cada um, mas de fazer frutificar os dons espirituais recebidos dele. A desenvolver os dotes naturais já nos impulsiona a natureza, a ambição, a sede de lucro. Às vezes, ao contrário, é necessário frear esta tendência de fazer valer os próprios talentos, porque pode converter-se facilmente em afã por fazer carreira e por impor-se sobre os demais.

Os talentos dos quais Jesus fala são a Palavra de Deus, a fé, ou seja, o Reino que Ele anunciou. Neste sentido, a parábola dos talentos se conecta com a do semeador. À sorte diferente da semente que ele lançou – que em alguns casos produz sessenta por cento; em outras, ao contrário, fica entre os espinhos, ou são comidas pelos pássaros do céu –, corresponde aqui o diferente lucro realizado com os talentos.

Os talentos são, para nós, cristãos de hoje, a fé e os sacramentos que recebemos. A palavra nos obriga a fazer um exame de consciência: que uso estamos fazendo destes talentos? Nós nos parecemos com o servo que os faz frutificar ou com o que os enterra? Para muitos, o próprio batismo é verdadeiramente um talento enterrado. Eu o comparo a um presente que se recebeu de Natal e que foi esquecido num lugar, sem nunca tê-lo aberto ou jogado fora.

Os frutos dos talentos naturais acabam conosco ou, quando muito, passam aos herdeiros; os frutos dos talentos espirituais nos seguem à vida eterna e um dia nos valerão a aprovação do Juiz divino: «Muito bem, servo bom e fiel! Foste fiel no pouco, e por isso eu te darei autoridade sobre o muito: toma parte no gozo de teu senhor».

Nosso dever humano e cristão não é só desenvolver nossos talentos naturais e espirituais, mas também de ajudar os demais a desenvolverem os seus. No mundo moderno existe uma profissão que se chama, em inglês, talent-scout, descobridor de talentos. São pessoas que sabem encontrar talentos ocultos – de pintor, cantor, ator, jogador de futebol – e os ajudam a cultivar seu talento e a encontrar um patrocinador. Não o fazem de graça, naturalmente, nem por hobby, mas para ter uma porcentagem em seus lucros, uma vez que se afirmaram.

O Evangelho nos convida a ser talent-scout, «descobridores de talentos», mas não por amor ao lucro, e sim para ajudar quem não tem a possibilidade de afirmar-se sozinho. A humanidade deve alguns de seus melhores gênios ou artistas ao altruísmo de uma pessoa amiga que acreditou neles e os animou, quando ninguém acreditava neles. Um caso exemplar que me vem à mente é o de Theo Van Gogh, que sustentou toda a vida, econômica e moralmente, do seu irmão Vincent, quando ninguém acreditava nele e não conseguia vender nenhum de seus quadros. Eles trocaram mais de seiscentas cartas, que são um documento de altíssima humanidade e espiritualidade. Sem ele não teríamos hoje esses quadros que todos amamos e admiramos.

A primeira leitura do domingo nos convida a deter-nos em um talento em particular, que é ao mesmo tempo natural e espiritual: o talento da feminilidade, o talento de ser mulher. Contém, de fato, o conhecido elogio da mulher que começa com as palavras: «Uma mulher completa, quem a encontrará?». Este elogio, tão belo, tem um defeito, que não depende obviamente da Bíblia, mas da época na qual foi escrito e da cultura que reflete. Se prestarmos atenção, descobriremos que este talento está inteiramente em função do homem. Sua conclusão é: bendito o homem que tem uma mulher assim. Ela lhe tece maravilhosas vestes, honra a sua casa, permite-lhe caminhar com a cabeça levantada entre seus amigos. Não creio que as mulheres de hoje gostem deste elogio.

Deixando de lado este limite, quero sublinhar a atualidade deste elogio da mulher. Desde todas os lugares surge a exigência de dar mais espaço à mulher, de valorizar o gênio feminino. Nós não cremos que «o eterno feminino nos salvará». A experiência cotidiana mostra que a mulher pode «elevar-nos ao alto, mas também pode precipitar-nos para baixo. Também ela precisa ser salva por Cristo. Mas é certo que, uma vez redimida por Ele e «libertada», no campo humano, das antigas sujeições, ela pode contribuir para salvar nossa sociedade de alguns males crônicos que a ameaçam: violência, vontade de poder, aridez espiritual, desprezo pela vida…

Depois de tantas épocas que adotaram o nome do homem – a era do homo erectus, homo faber, até o homo sapiens, de hoje –, deve-se augurar que se abra finalmente, para a humanidade inteira, uma era da mulher: uma era do coração, da ternura, da compaixão. Foi o culto a Nossa Senhora que inspirou, nos séculos passados, o respeito pela mulher e sua idealização em boa parte da literatura e da arte. Também a mulher de hoje pode ser olhada como modelo, amiga e aliada na hora de defender sua própria dignidade e o talento de ser mulher.

 

É admirável contemplar o quanto as pessoas fisicamente debilitadas capricham no que fazem, o quanto colocam seus dons naquilo que podem fazer, muitas vezes, até com muito mais intensidade do que aqueles que têm mais condições físicas para fazer isso ou aquilo.

Como é bom e como é admirável ver cada um colocar à disposição dos outros o talento que tem! E a Palavra de Deus hoje justamente nos diz isto: quanto mais investimos no dom e no talento que temos, tanto mais o nosso dom cresce, tanto mais o nosso talento se torna fecundo e produz frutos. Como ocorre com quem tem o dom de falar, de pregar, de cantar e de cuidar do outro. Algum dom você tem, algum talento você tem!

Por outro lado, não existe coisa pior do que a pessoa inerte, preguiçosa, que não leva em conta o pouco talento que tem e não investe nele para que este se torne mais fecundo. Ninguém precisa invejar ninguém, cada um tem a sua capacidade. Em vez de ficarmos olhando para o talento do outro, se cuidássemos mais do nosso, a graça de Deus viria em nosso auxílio para que o nosso dom se tornasse cada vez mais fecundo, para que ele produzisse cada vez mais frutos de bondade onde quer que nós estejamos.

Não seja um operário preguiçoso, não seja um operário inerte, irresponsável, que não leva adiante o dom que você recebeu da vida! Você tem dom para alguma coisa, ou talvez você tenha muitos dons e muitos talentos, apenas que você precisa sair da posição cômoda. Existem pessoas que gostam apenas de ser servidas e cuidadas, elas querem apenas que os outros olhem para elas, mas não são capazes de sair de si, de lutar, de correr atrás, de madrugar e de dar um pouco de si aos demais.

Eu vejo pessoas criticando quem faz leitura na igreja, quem faz isso ou aquilo. Por que elas não vão fazê-la? Por que elas não o fazem melhor? É muito fácil apontar o dedo para os outros, o difícil é querer ficar no lugar deles; o difícil é se esforçar para fazer o melhor e dar o melhor de si para que o Reino de Deus aconteça com os talentos que o Senhor confiou a nós.

Fonte https://homilia.cancaonova.com/homilia/voce-tem-multiplicado-os-dons-que-deus-lhe-deu/

https://blog.cancaonova.com/padrebruno/2011/01/26/a-parabola-dos-talentos/

 

VEJA TAMBÉM:
TELEMENSAGENS DE ANIVERSÁRIO COM FUNDO MUSICAL CATÓLICO

ASSUNTOS RELACIONADOS